21 dezembro, 2010

Suave furacão...

"Eu não sou como muita gente: entusiasmada até à loucura no princípio das afeições
e depois, passado um mês, completamente desinteressada delas. Eu sou ao contrário:
 o tempo passa e a afeição vai crescendo, morrendo apenas quando a ingratidão
 e a maldade a fizerem morrer." (Florbela Espanca)

Escusas de vir a correr cheio de pressa. Escusas de pensar que vais chegar e entrar sem pedir autorização como um furação que invade algum lugar sem pré-aviso. Escusas de imaginar que vens tens e vais embora satisfeito da vida, como se nada fosse. Podes vir, mas vais esperar o tempo que eu precisar, vais andar passo a passo, muito devagar e suavemente, vais conquistar tudo a pouco e pouco. Porque o que é verdadeiro leva tempo, não muito nem pouco mas o necessário. E aviso já que vai demorar, a armadura de ferro que criei em auto defesa é bastante difícil de corroer. Vies-te, abri-te a porta, agora a afeição cresceu devagar devagarinho, mas cresceu. Está enorme, mais do que queria e menos do que esperava. Envolveste-me num enorme temporal de emoções, derrobaste-me com as tuas rajadas de carinho, arrastaste-me com a intensa chuva de cumplicidades por caminhos onde não entraria, congelaste-me com  o frio enorme envolvido no calor intenso do toque da tua mão na minha, esmagaste-me suavemente com a força protectora da envolvência do teu abraço. Gosto mais que muito do que nasceu. Gosto mais ainda do que ainda está para nascer. Sim, porque se podemos mais do que imaginamos, eu imagino muita coisa, se posso ter mais que isso, hei-de ser a pessoa mais feliz do mundo. Vies-te para ficar, espero. Eu quero que assim seja. Mas, desde já digo que se por algum motivo magoares o que foi crescendo e arranhares a imagem que criei, vais...mas vais mais depressa do que chegas-te. E não, não voltas .

Ps: I really like you.

20 dezembro, 2010

um mais um, dois !

É pesado o vazio que aperta com toda a força contra as paredes, não se sabe muito bem de onde. É difícil saber, espalhou-se a velocidade da luz por todas as partes de um corpo. É forte, rouba-lhe forças, trás vontade de agarrar algo com todas as mais pequenas amostras de força que vai conseguindo arranjar, para enganar o que quer que seja esse tal vazio que se vai propagando. Todos os segundo são cruciais, todas as horas contam, todos os dias aumentam um pouco mais a vontade de sentir aquela presença, todas as semanas aumentam o tempo que esse corpo vai esperando por aquele olhar, aquela mão, aquele abraço quente e forte...
Todos os dias - sem deixar  escapar esse ritual um só dia - pensa na hora que o dia vai chegar, na hora em que vai poder sentir-se livre, transformando todo o vazio até então acumulado - a que entretanto conseguiu dar o nome de saudade. Tão indefinido como o seu significado, é certo -  em conforto e desejo incontrolável de sentir tudo aquilo que cada corpo tem direito. Tudo aquilo que vai fazer com que um mais um se torne dois. Onde tudo o que é de cada corpo passa a sentir-se num só. Mesmo que , unidos apenas por um entrelaçar de dedos, pela distância de um olhar ou apenas pela partilha de um silêncio.
O tempo passa, a chuva cai, o céu está cada vez mais escuro...e esses corpos continuam a espera um do outro !

15 dezembro, 2010

"A vida não consiste em ter boas cartas na mão e sim em jogar bem com as que se tem ." (Josh Billings)

Baralho incompleto, um jogo sujo e um final assustador. Um deu as cartas o outro iniciou o jogo.  Jogadores natos ou inexperientes, o que é certo é que o jogo continua... dia após dia. Ninguém dá parte fraca, os resultados não estão há vista. O fim, parece longe. Mas, não significa que de facto esteja. Roubam trunfos um ao outro, alcançam metas inicialmente impensáveis. Agarram-se mais e mais. Ultrapassam limites. Só uma voz se ouve no fundo, torna-se ensurdecedor, grita incessantemente em silêncio : "Como pode ser tão bom, esse mal que tu me fazes, que me obriga a ir a jogo sem figuras nem ases". É um eco tão profundo, saí do fundo da consciência e bate violentamente contra corações que se sentem no mesmo compasso. Tal é a envolvência naquele jogo proibido, que  nenhum dá importância às frases feitas que se soltam no ar. Vencedor? Aquele que aguentar até ao fim, sem medo do destino indefinido, das partidas inesperadas de um futuro incerto.

14 dezembro, 2010

The other side

"Todo o mundo, é bem menos misterioso do que se acha que é."
Nunca desejarias a felicidade se nunca tivesses passado pela tristeza, nunca gostarias do dia se não conhecesses a noite e vice-versa, nunca esperarias por alguém, ou por algum tipo de coisa se ele estivesse lá ou tudo te caísse aos pés. Em criança nunca ias querer dormir de luz acesa, se não tivesses experimentado deitar-te na escuridão, nunca ias ficar meses à espera do Verão se não vivesses três meses de puro Inverno. Nunca cairias na desilusão se não voasses mais alto do que a tua própria imaginação, que os teus sentimentos, que a tua razão, iludindo-te e ultrapassando limites. Nunca saberias o que é o bem, se não existisse o mal. Não conhecias o medo e a desistência, se não passasses por alturas de coragem e persistência. Nunca ias saber o que é sentir vergonha se estivesses sempre há vontade com tudo e todos. Nunca ias conseguir conhecer a cumplicidade enquanto não encontrasses alguém com quem, sem dares por conta, trocas-te palavras no mais puro dos silêncios. Provavelmente, nunca conhecerias a mágoa se não encontrasses pessoas que te magoaram quando menos esperavas. Nunca saberias quem são os teus verdadeiros amigos, se não andassem por aí espalhados quantidades exageradas de falsos amigos. É complexa, a forma como vamos descobrindo tudo o que nos rodeia, a pouco e pouco...passando muitas vezes por fases maravilhosas e fases  menos boas que fazem parecer que o mundo ruiu e os nossos desejos deixaram de ser ouvidos, seja lá quem for que se dá trabalho de os escutar.
É  de facto incrível a forma como tudo tem uma capacidade enorme para nos fazer amar e odiar, gostar e não suportar, querer ouvir ou até, desejar que aquele som não existisse, esperar calmamente ou esperar com desejo de fugir para nunca mais voltar, querer  mais que tudo ou desejar que nunca tivesse existido. Procurar incessantemente até não poder mais ou simplesmente partir, deixando tudo para trás. Lutar com todas as forças, até aquelas que não sabíamos que tínhamos e desistir por falta de vontade ou razões que nos façam continuar. Como é que podem ser coisas diferentes a fazer-nos sentir de forma diferente, ou então a grande questão, como é que a mesma coisa pode fazer-nos sentir, coisas tão boas e más em simultâneo? Porque é que o que é bom, não pode ser só bom, sendo também mau, porque é que o que nos faz amar não pode só fazer-nos isso, mas insiste em conseguir também fazer-nos odiar com todas as nossas forças. Como é que a mesma razão, nos pode fazer chegar onde nunca chegamos, e por outro lado fazer-nos desistir do dia para a noite? Uauuu, complexo isto, menos do que parece e mais do que desejava.
As coisas não são mesmo o que parecem. Todas elas têm como função mostrar-nos algo que nem pensávamos existir, fazer-nos sentir coisas que nunca sentimos, sermos pessoas melhores e piores. Sim, tudo o que nos rodeia transforma o que somos, aquilo em que acreditamos, aquilo que esperamos dos outros e o que os outros esperam de nós.
Ah, e essa conversa que nos tentam meter na cabeça do anjinho e do diabo que nos fazem pensar coisas boas ou más e que só podemos seguir um deles, é muito bonita enquanto acreditamos que isso pode ser possível, e tentamos sempre seguir só um deles. Mas no fundo, somos a mistura completa e absoluta dos dois, um manifesta-se em função do outro, em função daquilo que o que se encontra em nosso redor, nos faz sentir naquele momento. Somos tudo aquilo que o meio que nos rodeia faz de nós. Somos uma e outra coisa, somos carne para o nosso próprio canhão.

10 dezembro, 2010

In my head...

...Em tempos vi príncipes em contos de fadas, casas de chocolate em cidades imaginárias, arco-íris sem fim à vista em céus azuis em dias de desentendimento entre sol e chuva, chapéus-de-chuva de todas as cores, alegria e vontade de viver, jardins cheios de flores lindas e enormes, ruas cheias de pessoas, brilho nos olhares, principalmente nos indiscretos que são supostamente para não serem vistos por outrem. Vi histórias com princípio, meio e fim...feliz por sinal. Vi filmes passarem para a realidade, capacidade inata para amar, persistência e vontade de lutar....
....Hoje, vejo bandalhos a quem podemos dar o nome de sapos, montes de betão a ocupar estas cidades extremamente reais, os arco-íris , esses ainda se mantém nos mesmos céus azuis mas em diferentes dias de desentendimento entre o mesmo sol e outra chuva...alguma coisa que se mantenha! Vejo espécies de jardins com flores, murchas e minúsculas, ruas cheias de gente em vez de pessoas, será possível habitar serenamente num mundo onde existe cada vez mais gente e menos pessoas? Tenho algumas dúvidas. Quanto aos olhares brilhantes? Vamos esquecer isso, são cada vez mais apagados e os que brilham não é por natureza, não é espontâneo, não é pelo acordar com vontade de viver, pelo bom decorrer da vida, podem brilhar por razões da natureza, mas não daquela a que me queria referir. E os olhares supostamente indiscretos?? Deixaram de o ser, não há nada como ser totalmente descarado hoje em dia, não importa o que está há volta. Quer-se olhar? Olha-se e pronto. Seja, lá qual for a intenção, a ideia a passar ou o que os outros vão pensar. Vejo histórias, com princípio e fim, o meio ficou perdido em tempos antigos, vive-se tudo a correr, que a construção da história fica para depois. Óbvio dá mau resultado, como era de esperar. Nunca vi ninguém construir um castelo de cartas sem fazer primeiro uma base, bastante sólida, que realmente é o que é necessário nos dias que correm, ou existe isso, ou esqueçam lá as lindas histórias de príncipes e princesas em castelos enormes e bichinhos que falam. Quanto muito, um castelo de areia na praia de Carcavelos, com montes de bruxas há volta que tal como as ondas vêm e levam tudo o que levaste imenso tempo a construir. Sim, porque fazer castelos, mesmo que sejam de areia não é fácil.
Se em tempos vi os filmes a passarem para a realidade, agora vê-se a realidade a passar para os filmes, não deixa de ser inédito e uma coisa extremamente empolgante, sempre dá trabalho a mais algumas pessoas, nem que sejam actores amadores que nem sabem fingir que choram! Onde isto já vai.
Capacidade inata para amar? upa upa, quanto muito é adquirida , ao longo do tempo e a muito custo. A persistência e a vontade de lutar pelo que se quer, está cada vez mais substituída pela desistência imediata e a falta de esperança, capacidade de esperar, vontade de chegar ao fim e conseguir. Seja lá como for, é assim que vivemos hoje, amanhã logo se vê o que muda. Enquanto isso ficamos a ver em vez de agir, quando podíamos fazer alguma coisa, não para mudar o mundo, ninguém muda o mundo sozinho, mas se todos fizessem qualquer coisinha, isto ficava melhor.

06 dezembro, 2010

Ser jovem em 2010

                                              “O homem nunca encontrou uma definição para a palavra liberdade.” (Abraham Lincoln)

Só porque há trabalhos que devem ser mostrados, porque há esforços que devem ser valorizados, porque há professores super chatos que nos mudam os trabalhos nas vésperas da entrega, porque todo o trabalho foi imenso, porque adorámos o que fizémos, porque nos sentimos bem naquilo que mostrámos, porque o trabalho foi excelente...O que é ser jovem em 2010 :

video

O que é ser jovem? Quais são as prespectivas de um jovem da actualidade? Como é que nos relacionamos com o mundo? Tantas e tantas questões. Este trabalho foi uma surpresa, não só ele próprio como os próprios resultados, entramos nele com uma expectativa, esperávamos seriamente obter um resultado e obtemos um completamente diferente. Não é que, em vez de serem as raparigas a querer formar uma família, obter um emprego , ter uma vida estável , são os os rapazes que assim o preferem, as raparigas pensam fazê-lo sim, mas não por esta ordem, preferem primeiro a estabilidade profissional e depois então a família e o resto. Quais as maiores diferenças da mentalidade da nossa gerção para a geração dos nossos pais? Entre muitas outras, destacam-se : Estudos, Responsabilidade e Tecnologias. Se antes se estudava menos e trabalhava-se mais, agora estuda-se mais, sabe-se menos e trabalha-se menos, o sentido de responsabilidade é cada vez menos e mais tardio...enfim, é sempre a cortar. Huum, Glossário de um jovem? Quais são as palavras que são seriamente indispensáveis nos jovens de hoje? Entre muitas, os mais importantes : Família, Sedentarismo, Escola, Privacidade, União, Stress, Internet, Motivação, Facilitismo e por fim Liberdade. Somos jovens, somos complexos, temos sonhos, arriscamos, temos medo de errar, somos persistentes e não queremos desistir tão facilmente como muitas vezes estão há espera, agimos quando temos que agir, pensamos..sim pensamos, embora muitos achem que não. Os tempos mudaram, as mentalidades acompanharam essas mudanças (algumas, nem todas), nós evoluímos juntamente com o mundo que evoluí há nossa volta, a cada segundo que passa. Esperamos sempre mais? E então? Temos muitas coisas más, sim...não somos perfeitos, nunca fomos, nunca seremos, a perfeição não existe, não é verdade? E escusam de vir cá os pais dizer que "na minha altura não era assim"  pois não...era pior, notava-se era menos.

02 dezembro, 2010

It's Only Love



! - "I'm scared of falling in love with you"
!! - "Don't be"
(...)
! -"But I've been hurt before"
!! -"I know.That's why I only want to make you smile."

30 novembro, 2010

Querido gordo de barbas brancas,

Bem, há muito tempo que cortei relações contigo, nunca me trouxeste o presente que eu mais queria, obrigado na mesma. E perde uma criança duas horas a escolher brinquedos em trinta revistas diferentes para receber coisas que não têm nada a ver. Sempre pensei que fosse por ter uma letra pequena demais para a graduação dos teus óculos, tendo em conta a evolução das tecnologias vou experimentar por aqui...pode ser que tenha sorte !
Já perdi a prática nisto, sei lá o que é que se escreve. Sinceramente? Acho que nunca tive muito jeito para pedir. Mas só para ser diferente eu posso começar pelos meus argumentos, extremamente válidos (diga-se de passagem) para ter o que quero. Cá vai, eu portei-me bem (isto não se pode negar), nos tempos em que ainda andava na escola nunca faltei às aulas, sem ser por motivos  de força maior, nunca usei cábulas nos testes, apenas recorri a auxiliares de memória quando necessário. Nunca atravessei a estrada sem olhar antes para os dois lados, tirando quando estava com pressa para chegar ao outro lado da rua. Jamais deixei alguém a falar sozinho excepto quando me fartei de ouvir e virei costas e fui embora, nunca fui anti-social a não ser quando mudei o estado do msn de "disponível" para "ausente" só para não ter que falar com alguém. Um Verão inteiro nunca fui para a água sem ter a digestão completamente feita, tirando todos os dias em que fui há praia. Cheguei sempre a horas a todas as coisas combinadas, excepto nos dias em que me atrasei. Dormi sempre cedo, pelo menos deitei-me, o dormir é relativo. Não chego atrasada ao trabalho, o relógio de lá é que tem horas diferentes da minha. Nunca levei ninguém ao limite, excepto quando teve que ser. E muito importante como não comi maças, não toquei no fruto proibido. Acho que são razões mais do que suficientes para pedir, para além daquelas coisas todas que toda a gente ver melhor neste mundo onde há cada vez mais gente e cada vez menos pessoas,  uma coisa tão simples como o meu bichinho, só para mim. Eu quero muito, vá lá.

Ps: E se não for pedir muito, dava mesmo jeito um carrinho assério. Obrigado.

Os loucos são assim...felizes!


Vivem pouco, mas são felizes, é o que importa !
Não, não vou fazer disto um diário, não vou escrever imenso como é costume, prometo. Não vou contar nada, não vou dizer nada de nada, vou só dizer tudo, literalmente em meia dúzia de palavras : Eu QUERO estar ao teu lado !

28 novembro, 2010

"...Be my Penguin...?"

"Did you know that when a Penguin finds its mate, they stay together for the rest of their lives...?"

"...Be my Penguin...? "

22 novembro, 2010

Ele e Ela ♥

"‎Ele - O nosso amor é semanal.
Ela - Não, é diário, manifestado semanalmente e vivido mensalmente. "

Ela achava que era uma coisa do momento, que durava uns dias e nunca mais se falavam, se tal coisa acontecesse seria uma daquelas conversas casuais que temos mais vezes do que realmente desejávamos, ele fez com que durasse mais e mais. Ela tinha posto barreiras naquela relação, ele fez com essas tristes ideias da cabeça dela desaparecessem.
Ela precisava de alguém, ele estava lá.
Ela tinha medo de ficar a espera dele e ele não aparecer, ele não faltou.
Ela pensava que eram coisas ditas da boca para fora, ele com o tempo, fê-la perceber que estava errada.
Ela queria companhia, ele vinha ter com ela.
Ela queria aquela prenda de anos, queria aquele passeio na praia à tempos e tempos, ele deu-lhe.
Ela pediu para ele ficar, ele ficou.
Ele não queria ficar na água fria do mar, ela saiu também.
Ela queria secar ao sol, ele chegou e encheu-a de areia.
Ela queria mais uma fotografia, ele parou o carro e tirou.
Ela reparou que algo estava a crescer, ele...ela não percebeu.
Ela pede um abraço, ele nunca mais a deixa.
Ele adora as covinhas que ela faz quando sorri, ela adora a falta de bochechas que ele tem.
Ela sorria, ele respondia com o mesmo sinal.
Ela queria ter os olhos dele, ele queria ter os olhos dela.
Ela fala com os silêncios, ele fala com o olhar.
Ela começou a achar que estava a perder-se num sentimento tão grande, ele...ela não percebeu.
Ela começa uma música, ele acompanha-a.
Ela quer um gelado, ele compra .
Ela perdeu a capacidade de raciocino, ele deixou-se levar.
Ele teve que ir , ela queria mais.
Ele diz que vem, ela treme sem ter frio.
Ela não passa um dia sem pensar nele, ele diz que também pensa nela.
Ela da-lhe a mão, ele encaixa-as perfeitamente.
Ela precisa da sua presença, ele gosta de estar com ela.
Ela escreve para ele, ele gosta e não sabe o que responder.
Ela fica de mau humor se não falar com ele, ele manda mensagem.
Ela quer controlar-se, ela não quer fazer o que não deve, ele tenta evitar, mas torna-se difícil.
Ele chega ao limite, ela provavelmente queria parar mas não consegue.
Ela olha para ele, ele sorri.
Ela quer afastar-se , há um íman que a faz não conseguir, ele fica quieto.
Ela aproxima-se , ele também...a respiração pára, o coração acelera...voltam á realidade, riem como duas crianças.
Ela diz que o adora, ele diz que é para sempre.
Ela tem medo de o perder, ele diz que ela é única pelos momentos que passam juntos.
Ela tinha medo de amar, ele destruiu esse medo.
Ela é livre de ficar com ele, ele...é mais complicado do que parece.
Ela quer saber o que isto é, ele um dia poderá dizer-lhe.

Ps: She only wish, it were simple .

Viva

"Já perdoei erros quase imperdoáveis,tentei substituir pessoas insubstituíveise esquecer pessoas inesquecíveis.

Já fiz coisas por impulso,já me decepcionei com pessoas que eu nunca pensei que iriam me decepcionar,mas também já decepcionei alguém.

Já abracei pra proteger,já dei risada quando não podia,fiz amigos eternos,e amigos que eu nunca mais vi.

Amei e fui amado,mas também já fui rejeitado,fui amado e não amei.

Já gritei e pulei de tanta felicidade,já vivi de amor e fiz juras eternas,e quebrei a cara muitas vezes!

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,já liguei só para escutar uma voz,me apaixonei por um sorriso,já pensei que fosse morrer de tanta saudade e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo).

Mas vivi!E ainda vivo!Não passo pela vida.E você também não deveria passar!

Viva!!

Bom mesmo é ir à luta com determinação,abraçar a vida com paixão,perder com classe e vencer com ousadia,porque o mundo pertence a quem se atrevee a vida é "muito" para ser insignificante."

(Augusto Branco)

21 novembro, 2010

Coisas de um coração

"As maiores coisas do mundo e as mais belas não podem
ser vistas e nem sequer tocadas,
devem ser sentidas com o coração." (Helen Keller)

É certo que já me tinham dito algo do género, é certo que é uma frase bonita, sim é, não se pode negar...mas e eu pergunto, e quando o coração deixa de nos deixar sentir? É um facto, que as maiores e melhores coisas do mundo são as que não se podem ver, nem tocar e muito menos comprar, ao fim ao cabo só se podem sentir, mas só se sentem quando são verdadeiras. Mas, o que é que acontece quando o coração deixa de funcionar como devia? O que acontece quando deixamos de sentir? O que acontece quando só sentimos o que não queremos ou mesmo, quando só conseguimos sentir coisas que fazem de nós pessoas piores? Estas coisas do coração são mais complexas do que se pode pensar. É muito bom, se não o melhor do mundo, sentir coisas boas que nos fazem ver o mundo perante uma outra perspectiva. Sentir de tal maneira bem , que deixamos de sentir os pés no chão, que voamos sem ter asas, que chegamos ao céu sem ter perdido tempo a apanhar um avião, que nos sentimos tão leves como penas capazes de navegar ao sabor do vento por todo o mundo sem dar um paço, que somos capazes de sorrir um dia inteiro, que nos faz esquecer tudo o que deve ser esquecido, que conseguimos sentir borboletas no estômago só de ouvir o respirar de outro alguém, que faz o nosso coração bater acompanhando o bater de um outro, num compasso inconfundível. Que nos faz tremer sem ter frio, que nos permite criar ideais que podem muito bem não existir, que nos faz muitas vezes perder a capacidade de raciocinio, que nos faz esquecer o que é certo e errado e perante aquele alguém, aquele momento, aquela circunstância, aquele silêncio e aquela envolvência entre ambos simplesmente agimos, seja lá o que for que esteja em  nosso redor. Que nos faz deixar de pensar só em nós próprios e passamos a pensar no outro como parte integrante de nós mesmos, que nos faz voltar a redefinir as nossas prioridades, que ficamos dia após dia com medo de errar, de perder. Que nos faz querer protecção sem estar propriamente em perigo, sem ser o perigo de voar tão alto que acabamos por cair de cabeça, quando o mundo encantado que criámos se desmorona por debaixo dos nossos pés e nós, simplesmente não conseguimos assumir um controlo sobre tal coisa. E é aqui, é nesta altura que o coração fica magoado, parte-se em mil pedaços que levaram segundos a formarem-se e levaram muito mais tempo  a recomporem-se até ficarem suficientemente colados de forma a serem capazes de voltar a sentir, isto, se algum dia  forem capazes de o fazer. Agora eu pergunto, será que somos nós que não sabemos escolher, somos nós que nos entregamos facilmente, somos nós que não sabemos sentir ou é mesmo o nosso coração que nos faz sentir as coisas certas pelas pessoas erradas?

20 novembro, 2010

O grito do silêncio

"A coisa mais difícil e mais bonita de partilhar entre duas pessoas é o silêncio"
Nunca um silêncio foi tão bom de ouvir como o teu. Sim, o silêncio também se consegue ouvir, pobres dos que dizem ou pensam que não, é mesmo porque nunca partilharam um silêncio sincero, ou então vivem tão enterrados naquele silêncio ensurdecedor que se perdem completamente, deixando de o ouvir, deixando de o sentir, deixando de lhe dar toda a importância que ele merece. Gosto do silêncio, de me refugiar nele e pensar, gosto do silêncio porque é nele que encontro as respostas as todas as minhas perguntas que nunca ninguém soube perceber e responder, gosto de partilhar o meu silêncio comigo, contigo e com ele. Parece sem importância, não se vê mas sente-se, parece simples, mas não o é, nunca foi, é muito mais difícil de manejar do que a palavra. Já  senti tantos silêncios, o pior é mesmo aquele constrangedor que sentes quando achas que tens muito para dizer a alguém, mas simplesmente não saí porque aquele que se encontra ao teu lado, o receptor da tua palavra, nunca ia perceber nada do que ia sair da tua boca, mas ao fim ao cabo, se não percebe o que possas vir a dizer, como há-de entender um olhar, um sorriso, ou até mesmo um silêncio teu? Ao contrário do que muitos possam pensar, todos os silêncios são importantes, todos eles falam por si, porque a prática deste é tão importante como a prática da palavra. E pior é decifrar tudo o que ele pode crer dizer e isso apenas é possível quando tudo o que está em questão é verdadeiro. Uma relação é de facto verdadeira, quando todos os silêncios trocados entre essas duas pessoas passam de perturbadores, a uma partilha silenciosa, quando tal como eu já vi e já vivi, começas a saber ouvir tudo o que alguém tem para te dizer sem deixar sair um único som, começas a perceber mais do que querias, começas a desejar  ficar rodeado daquele silêncio dia e noite porque nunca na tua vida ouviste algo tão profundo e sincero. Seja lá como for, seja lá o que for que pensas ou pensarás, uso a palavra apenas para compor meus silêncios.

18 novembro, 2010

A noite é escura, mas...

Uma das perguntas que é frequente, entre muitas outras, na tão chamada idade dos "porquês": porque é que a noite é escura? Boa pergunta, uma grande pergunta, disparatada para muitos, inteligente e susceptível de ser estudada para outros tantos, sim é verdade, é um dos grandes temas explorados por muitos cientistas, são teorias e teorias, cada uma com as suas conclusões...já li algumas e sinceramente não cheguei a conclusão nenhuma, secalhar por ter acabado Humanidades e terem-me dado um livro cheio de teorias cientificas para tudo e mais alguma coisa, olho para aquilo e não vejo nada. Sinceramente, vejo muito mais num quadrado completamente escuro, ou de olhos fechados ou até numa noite sem estrelas , do que naquele calhamaço cheio de páginas que vai ficar imobilizado na prateleira da minha secretária, pelo menos enquanto não o mudar de sítio para uma gaveta ou um armário, de modo a que fique bem mais escondido.
Voltando, ao que realmente interessa, até eu gostava de saber porque é que a noite é escura, será pelo dia ser claro, e ambos formarem um ciclo vicioso entre si, acabando um, iniciando-se outro dia após dia, noite após noite? Eu gosto da noite, gosto mesmo, é escura? pouco importa, é nela que vejo as coisas mais incríveis e esplendorosas. Vamos a ver, quando é que a noite começa? depois de um pôr do sol naturalmente magnífico,seja lá visto de onde for. Já vi na noite estrelas a brilhar, umas vezes mais outras menos, a lua a mostrar-se dominante num espaço que anteriormente era dominado pelo radioso sol, governando no ar e reflectindo-se no mar, já senti o vento frio na cara que me fez tremer dos pés à cabeça e já senti a brisa fresca de verão que me refrescou, já tive medo e senti conforto, já realizei sonhos desejados há muito tempo, já me senti livre o suficiente para esquecer todo o resto à minha volta, já senti o medo do desconhecido e o conforto e protecção daquele abraço quente, já chorei de tanto rir e já ri de tanto chorar, já fui e fiz alguém feliz. E de tanto ver e ser vista, já reparei que é nos dias em que estou mais feliz, que a noite se torna brilhante, cheia de razões para abrir a janela e observar toda a luminosidade natural das estrelas a entrar por este pequeno espaço onde me encontro e simplesmente iluminá-lo. Mas por outro lado, é nos dias que estou mais triste que a noite fica mais escura, sem vida. E nesses dias posso ter vontade de fechar a janela e fugir numa corrida sem fim, mas não o faço e porquê? Porque a estrela mais brilhante, brilha na noite mais escura.

" O nosso amor é semanal "

"Os amores são para ser vividos, sonhá-los não basta. São para se consumir, até que morram, talvez, mas sem medo, com ganas, com desejo, com vontade, como se não houvesse amanhã, porque, em abono da verdade, ninguém pode saber se amanhã, (…) ainda cá estaremos, eu, tu, qualquer uma das pessoas que amamos.” (Margarida Rebelo Pinto)

Vamos senti-lo, vivê-lo , mantê-lo nosso e fazê-lo crescer !

Blimunda e Baltasar

"- Fica enquanto não fores, será sempre tempo de partires.
- Porque queres que eu fique?
- Porque é preciso.
- Não é razão que me convença.
- Se não quiseres ficar, vai-te embora, não te posso obrigar.
- Não tenho forças que me levem daqui, deitaste-me um encanto.
- Não deitei tal coisa, não disse uma palavra, não te toquei.
- Olhaste-me por dentro...
- Juro que nunca te olharei por dentro.
- Juras que não o farás, mas já o fizes-te...
- Não sabes o que estás a falar, não te olhei por dentro.
- Se ficar onde durmo?
- Comigo. " (José Saramago, Memorial do Convento)

O casal mais puro de toda a história, o exemplo de que á realização dos sonhos e das grandes obras, está naqueles que menos se espera. Ele, Baltasar "Sete-sóis" ,  um soldado maneta, rejeitado pela guerra. Ela, Blimunda "Sete Luas", com as suas próprias características, representa a vida, a humildade, o povo, a força (teimosia e preseverança) . Vivem em função um do outro, lutam lado a lado, superando os desafios e são felizes.

08 novembro, 2010

Mar


Melides - 07 de Novembro,2010. 12.03H

Quem me dera que as ondas deste mar fossem assim sempre, sim é raro a água estar desta maneira, estão sempre ondas enormes, mas quando digo enormes são mesmo enormes, têm sempre sensivelmente o triplo do meu tamanho. Em anos, apanhei a praia assim, meia dúzia de vezes, e foi no Verão, nunca no Inverno. Como me apeteceu entrar naquele mar.
Adoro a praia, adoro a areia, adoro o mar. É lindo estar na praia no Verão, é Perfeito passear na praia na Primavera, é Incrível passear na praia no Outono, é Fantástico passear na praia no Inverno. Quero isto todo o Ano. Quatro estações do ano, quatro maneiras diferentes de observar o mesmo espectáculo. Sim, é tão diferente. É diferente o ver e o ser visto. Na Primavera passear na areia meia molhada, alguns barcos e pouca gente em nosso redor, casacos finos só para não arrepiar com aquela pequena aragem, são muitos os pássaros a voar sobre aquele mar, ao vê-los desejamos voar tão alto e ser tão livres como eles. No Verão mar geralmente calmo, muita gente, pouca roupa, divertimento, o espetáculo da natureza fica para ver mais tarde. É espantoso, não tens tempo para pensar em nada, apenas aproveitas todos os momentos para uma brincadeira com os amigos. É tanta agitação. No Outono, areia molhada, mar agitado, algumas pessoas a passear, uns dias mais claros que outros , vento forte e frio a bater-te na cara, parece que vais gelar ali, perante aquele espetáculo. Apenas esperamos poder continuar a vê-lo durante muito e muito tempo, sendo parte integrante dele. No Inverno, é fantástico, sim é mesmo, o mar está agitado, está frio, muito frio, a areia está molhada , as ondas são enormes parece que vão engolir tudo em seu redor, rebentam com uma fúria imensa, ficas ali perplexo, simplesmente aprecias. Não está ninguém, sentes-te pequeno perante tal força da Natureza. Se estás sozinho podes até sentir medo, se estás acompanhado aposto que a reacção mais espontânea é abraçares-te a esse alguém como se não houvesse amanhã e ficam ali, a observar. Pensas, imaginas como foi e como podia ter sido, são memórias e memórias que fervilham dentro da tua cabeça ao olhar para aquele mar,  a forma como as ondas vão e voltam,como se formam e como rebentam, muitas vezes caí uma lágrima que no meio de todo aquele mar se torna invisível, mas pesada demais para se aguentar cá dentro, pesa demais no coração, sai pelos olhos. É bom, sais mais leve, se tinhas vontade de fugir , ela própria acaba por fugir sozinha, ganhas anos de vida e um sorriso no rosto.
Pensas-te imenso e nada mudou, uma coisa é certa, as ondas do mar são tal e qual os ventos, pois, os que as vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar... Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim, aprender a amar o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre !

05 novembro, 2010

Passo a Passo


"Que as coisas futuras não te preocupem. 
 Chegarás a elas, se tiver de ser  assim (...)."


" (...) tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras.
Sou irritável e firo facilmente.
Também sou muito calmo e perdôo logo.
Mas, não esqueço nunca. " (Clarice Lispector)

03 novembro, 2010

I love the way you think, but I hate the way you act ♥

Sou feliz sim. É verdade, tu existes. E eu existo, pelo menos dizem que sim. Para quê condicionar a minha vontade, se dela posso fazer o meu mundo brilhar? Há coisas fantásticas, acabamos sempre a fazer aquilo que não era suposto, enfim, não há-de ser nada. Não somos os primeiros e muito menos havemos de ser os últimos, isso é certo ! Eu tinha muito para te dizer mas não dizia tinha medo, agora só tenho um medo, deixar-te. Sim, eu também tenho medo, mas não digo nada. Dizem que quanto mais falamos, mais as coisas acontecem, secalhar é mesmo melhor não pensar no que não interessa. Gosto de sorrir e pensar que tudo vai correr bem, mesmo quando os dias me trocam as voltas e chego à noite estoirada a casa, sem encontrar sentido em tudo o que me rodeia. Sim, acontece, secalhar mais do que era suposto, mais ainda quando gostava de te dar um abraço de boa noite mas não estás. Nem tudo é mau, secalhar por o tempo ser tão escasso para nós, faça com que o aproveitemos sempre da melhor maneira, é de facto a melhor! Amo a maneira como pensas, a forma como me abraças, como me olhas nos olhos e me dizes que me adoras. Perco-me na tua maneira de agir, é realmente estranha,  incompreensível, odeio-a. E porquê? Porque me confunde, acaba com os poucos fusíveis em bom estado de conservação do meu cérebro, e isso, faz-me ter medo de pensar, em último caso, posso mesmo chegar a ter incapacidade para o fazer. E sabes o que acontece se eu não pensar? Passam a existir coisas que eu não consigo controlar. You know that I could use somebody, someone like you.

P.S - You think missing me is hard? You should try missing you.

27 outubro, 2010

Quanto tempo o tempo tem !



   "Time is too slow for those who wait

   Very fast for those who fear

   Too long for those who lament

   Too short for those who celebrate

   But for those who love, time is eternity."



Sempre ouvi aquela espécie parva de trava línguas, que dizia que o tempo tinha perguntado ao tempo, quanto tempo o tempo tinha, e o tempo tinha respondido que o tempo tinha tanto tempo quanto tempo o tempo tinha, nunca pensei muito assério nisto, na verdade sempre disse que quem inventou destas coisas não devia ter mais nada para fazer na vida. Vistas bem as coisas isto até deve ter  algum sentido, ao fim ao cabo somos todos comandas pelo tempo mesmo sem saber o que ele é na verdade e o que é que tem a mais que as outras coisas todas à face da terra, para ser ele a comandar-nos todos os dias da nossa vida. Sim, porque ele é que nos comanda, tudo o que fazemos é comandado em função do tempo, desde a hora a que temos que acordar, o tempo que temos para nos despachar, as horas a que temos de estar aqui ou ali, quanto tempo podemos lá ficar, as horas a que dá o nosso programa favorito, as horas a que podemos ligar aquela pessoa porque sabemos que naquele momento não vai desligar por estar ocupada com outras coisas que tem de fazer que terão de ser entregues dentro daquele TEMPO ... Oh meu deus, tanto tempo que temos e tão pouco tempo para nós , quanto mais tempo temos menos o sabemos gerir, como é que é possível? Ninguém dá o mesmo valor ao tempo, ninguém vê o tempo da mesma maneira, todos dizem : tu tens mais tempo que eu, ou eu tenho menos tempo que tu (na verdade vai dar ao mesmo), como? impossível o tempo é igual para todos, os segundos, os minutos, as horas, os dias, as semanas, os meses ...até os anos, passam de igual maneira para todos..incrível não é? Uma coisa tão óbvia e tão pequena mas tão grande em simultâneo faz tanta confusão a tanta gente. O Tempo, este tempo, pode ser tão bom e tão mau , melhor para uns e pior para outros, mas bom bom só é mesmo para aqueles que lhe dão o devido valor e não o deixam passar sem se darem por ele. Fantástico como pode ser tão diferente a sensação do tempo tendo em conta a situação em que nos encontramos, se esperamos é péssimo, se estamos na aula em que é a pior disciplina do ano é horrível, é rápido demais quando temos 5 minutos para acabar um teste e faltam 2 perguntas onde temos que escrever um testamento, é um autêntico relâmpago quando tememos o que nos espera, é uma turtura quando sofremos e só queremos que tudo acabe, é curto quando estamos naquela festa que está a correr tão bem, é uma eternidade para os que amam? será? Depende do ponto de vista.

21 outubro, 2010

Razão vs Vontade

"O homem só se torna humano na altura de decidir."

Desde que te conheces por gente e todos te metem na categoria de "Homem", não há dia que passe que esperem mais e mais de ti. Por muito que vás mostrando, por muitas capacidades que mostres, uma delas, se não a mais importante é aquela se muitas das vezes não te deixam fazer uso dela, todos os dias uma ou várias novas decisões a tomar e muitas vezes tomam-nas por ti por acharem que não tens capacidades para o fazeres sozinho ou porque têm medo que batas com a cabeça no chão e trepes paredes em consequência de uma má decisão. Se cresceste, se te consideram homem, se a maior capacidade que podes ter é decidir, porquê não te hão-de deixar pensar e decidir por ti? Se a cabeça é tua e as forças também, podes muito bem acabar por a partir no chão de tantas vezes errares, e cair de tantas vezes perderes as forças a meio da tua subida. Tantas vezes hás-de cair que hás-de aprender ou não? Acho que já cheguei a altura em que entrei na categoria de gente, em que posso decidir sozinha, em que as consequências dos meus actos vão acabar por ter uma força que as vai atrair directamente para mim, já cheguei finalmente há altura de decidir, de cair, bater com a cabeça, trepar paredes, explorar segundo os meus métodos que têm tanta lógica como a lógica das palavras, ou seja, não têm lógica nenhuma em especial, sem ser o que realmente me apetece naquele preciso momento em que tenho de decidir...ai razão...ai vontade, mas que guerra enorme constante entre ambas, batalhas e batalhas entre elas onde a razão perde sempre forças para lutar e se deixa vencer pela vontade. Sim, ultimamente tornou-se um pequeno hábito, contigo do meu lado perco a capacidade de raciocínio, só pode ser por me sentir tão bem, os meus pequenos neurónios entram em curto circuito e apagam-se literalmente, só a vontade me comanda, incrível como está se torna tão mais forte que eu, nos momentos em que devia ser precisamente o contrário, onde esta devia adormecer por instantes e deixar os meus pequenos neurónio saltarem que nem pipocas acabadas de fazer , de modo a funcionarem de maneira correcta - de preferência - de maneira a me deixarem tomar as decisões mais certas e que me fizessem mais feliz. Começo a achar que raciocínio e felicidade são palavras que nunca andaram de mão dada, se pensas muito acabas por perder aquilo que tanto querias porque tanto hás-de pensar que quando chegar a altura já passou. Por outro lado, deixas de pensar, deixas-te levar pelo momento, és feliz sim, mas a incerteza de saber se foi só ali naquele instante ou será amanhã e depois, vai sempre permanecer. Enfim, "a vida são dois dias, vive e deixa viver, aproveita cada minuto como se fosse o último, não deixes para amanhã o que podes fazer hoje", começo a gostar de pequenas expressões como estas, começo a agir de acordo com elas. Deixei que a minha vontade ganhasse à minha razão? Pouco importa, a felicidade é que conta. Será sempre assim? Ninguém sabe. Só quero uma coisa, ficar do teu lado, não para sempre, mas enquanto a vida nos unir. És do pouco que tenho, o muito que não quero perder. Um dia fico tão habituada há tua presença que nunca mais te deixo ir.

" ! - Só tu me fazes sorrir assim.
  !! - Olha quem fala.
  ! - Sim? Estavas feliz?
  !! - Sim."

Ps: Eu também, acredita . Se tu sorris, eu sorrio (L')

12 outubro, 2010

Quem é quem?

Aparentemente o nome de mais um jogo para crianças, que acaba por ser jogado por miúdos e graúdos. Aparentemente mais uma grande questão, no meio deste mundo onde existe cada vez mais gente e cada vez menos pessoas, onde todos olham mas ninguém vê. Aparentemente será uma grande dúvida , tão sem sentido como provavelmente o que irei escrever aseguir. Porquê? Porque neste momento há tudo menos um rumo com sentido neste caminho que tenho para percorrer. Quem és tu? Quem sou eu? Será que eu sou tu, ou tu és eu? Sou eu que sou o que tu és ou tu és o que eu sou? Sou eu que não te percebo ou tu que não me deixas perceber-te? Ou serei eu tão complicada que não consegues tu perceber o que tenho para te dizer? Será que és tu que fazes o que eu não gosto ou serei só eu que não gosto do que tu fazes? Será que tu mudaste ou eu é que nunca te conheci, ou vice versa? Meu deus, quem és tu afinal? quem sou eu? Já te conheci muito bem , já soube exactamente o que estavas a pensar através do teu olhar , já percebi tudo o que me disses-te mesmo sem dizeres uma palavra , já mudaste vezes e vezes sem conta mas no fundo continuaste sempre a mesma coisa. Agora? Não te conheço e dispenso seriamente voltar a conhecer. Eu? sou eu, apenas isso, no fundo aconteceu o mesmo que a ti , mudei mudei e voltei a mudar mas no fundo continuei sempre a mesma. Complicada? Talvez, mas não tanto como a tua falta de vontade para me perceber. Bem, quanto ao que tu fazes que eu não gosto e que tu gostas mas não é bom para ti nem para mim, e muito menos foi bom para nós...enfim, não posso fazer mais nada. Sim, já fiz muito, já dei muito embora nunca o tenhas percebido e não me tenhas deixado dar mais, me tenhas expulsado e fechado a porta de uma vez para sempre, desculpa mas não passo paredes. Ficamos por aqui ! Quem és tu? Quem sou eu ? Não sei, sinceramente não sei, há uma mistura de ambos em cada um de nós, embora este último não exista há bastante tempo. Uma coisa é certa, nem eu sou tu e muito menos tu és eu ! Mesmo sem saber quem tu és, sem tu saberes quem sou eu, um dia vais perceber porque é que sempre te dei tanto sem pedir nada em troca.

08 outubro, 2010

Autismo

Ajuda-nos a Ajudar !

video

Produto Final de Área de Projecto , realizado por :


  • Ana Alves
  • Andreia Cardoso
  • Andreia Vieira
  • Inês Santinha
  • Raúl Oliveira

PS: Divulgar , nunca é demais !

07 outubro, 2010

Castelos no ar


"Se voares, voa mais alto ." 
Um dia fazes de conta que o mundo é teu, sentas-te há janela e eliminas tudo o que vês, estares ali ou não torna-se o mesmo, estás ali mas estás longe, estás a imaginar tudo o que na realidade desejavas ver todos os dias da janela onde neste momento te encontras. Fazes os teus sonhos voarem mais alto que tu mesmo, voam tão alto que dás por ti num mundo completamente imaginário, naquele castelo que sempre esperas-te ter, onde pensavas que todos os teus sonhos podiam tornar-se reais, sonhas-te alto e sentiste-te livre, queres descer a terra mas não consegues. O teu mundo imaginário torna-se cada vez mais complexo, já não tens em vista apenas o teu castelo, estás a ver as ruas cheias, as pessoas felizes onde ninguém tem que esforçar-se para fazer um sorriso, o bem superou o mal, toda a gente passou a ver em vez de olhar, ninguém passa por ninguém como se o outro fosse transparente , no teu mundo a saudade não existe, tudo o que cada um realiza é tão natural como o próprio respirar,todos dão valor aquelas pequenas coisas da vida e têm o que realmente precisam para ser felizes, a igualdade reina acima de qualquer outra coisa, o "eu" ficou esquecido e o "nós" permanece a toda a hora . A cada momento que passa queres que o teu sonho se torne mais real. Estás a sonhar cada vez mais alto, já não dás mais largas à tua imaginação, da janela do teu quarto ao acordar, não vês as árvores do jardim da frente mas sim as nuvens que te rodeiam em tal altitude. Até que chega a altura que ninguém gosta, dá-se um click e a realidade cai sobre os nossos pés, mais uma vez não passava de imaginação, dás por ti a pensar e chegas a conclusão que secalhar da mesma maneira que tu, muitas e muitas pessoas sonham dias e noites com a mesma coisa. Ninguém faz castelos no ar, os castelos que fazes no chão são de areia e vão e voltam com as ondas do mar.

03 outubro, 2010

Super-Herói

"O heroísmo começa com uma vitória sobre ti próprio." (Leonid S. S.)
 Quem foi que disse que os heróis não passam de ficção? Quem foi que disse que era preciso ter super poderes, uma capa, um fato que marque diferença entre todos os outros, um símbolo que te identifique? Eu, Tu, Ele, Nós...todos podemos ter um herói,  todos podemos ser um deles cada uma à sua maneira. És um herói com gestos, palavras, acções que faças de livre vontade, não apenas quando estás feliz e tudo é perfeito, mas também quando o fazes quando tens o mundo a ruir aos teus pés, superando-te a ti mesmo, és um herói cada vez que te esqueces de pensar em ti para te lembrar de pensar nos outros, cada vez que consegues dar a mão a alguém que realmente precisa de ti mesmo quando esse alguém quer recusar-se a agarrá-la , cada vez que arrancas um sorriso a alguém quando na realidade só te apetece chorar, quando para ajudares outro a superar os seus problemas acabas por superar os teus sem dares conta disso até que alguém te diz : faz por ti, tudo aquilo que fizes-te por mim. É assim, com pequenos grandes gestos que nascem os pequenos grandes heróis, aqueles que não vivem na ficção dentro das páginas de um livro ou de uma caixa que se liga e desliga quando assim alguém o decidir, que não aparecem nas histórias das crianças nem vivem durante tempos sem fim passando as suas histórias de geração em geração, chegando mesmo a servir para contar às crianças que não conseguem dormir numa noite de trovoada. É através de laços que se criam, que nascem estes super-heróis, muitas vezes estes laços não se sabem explicar,mas sentem-se e sentem-se de tal maneira que duram não para sempre, mas sim enquanto a vida unir os responsáveis por tal criação. Mas cuidado, os Super-heróis não estão escondidos atrás de uma esquina, nem saem debaixo de uma pedra se por acaso acabar-mos a dar um pontapé em alguma, não caem do céu como as chuvas de inverno, não tocam à campainha e pedem autorização para entrar...aparecem quando menos se espera e não duram para sempre.

01 outubro, 2010

Pelo caminho ...

Um paço para a frente, cem para trás. Como é que podemos seguir em  frente , se nos cortam os apoios que temos para andar ?! Já não são pedras no caminho ou simplesmente obstáculos na vida, são buracos onde cais e ficas eternamente à espera que alguém te lance a escada que te vai fazer reerguer, que vai  fazer-te pisar de novo solo firme, que vai mostrar-te de novo a luz do dia, a luz ao fundo do túnel. Fico à espera da minha escada.

29 setembro, 2010

The pieces don't fit anymore

Se fosse hoje, Talvez tivesse tentado, talvez tivesse feito tudo de outra forma, talvez tivesse percorrido o mundo para encontrar um lugar onde tudo fosse perfeito, talvez tivesse voado livre que nem um pássaro ao sabor do vento, sem meta nem destino propriamente dito, talvez tivesse sido livre de tomar outras decisões, talvez tivesse pensado mais um milhão de vezes, talvez as peças do puzzle que construimos juntos tivessem encaixado perfeitamente em vez de deixarem um vazio entre elas que se apoderou de nós a pouco e pouco. Não foi , e isso é um facto ! Hoje, não é desejo, não é saudade, não é pena, não é preocupação, não é e nunca foi uma fantasia, ou até mais uma história na minha cabeça como todas aquelas que sempre ouvi em pequena, onde o príncipe encantado vem e fica para sempre, porque nem a vida é uma história dessas, nem eu uma princesa e tu um príncipe e muito menos algum de nós ia durar para sempre. Vistas bem as coisas não foi nada, pelo menos nada do que eu pensava que ia ser ! Desisti sim, não por ter medo de sair derrotada, mas por não ter mais forças para lutar sozinha por algo que só andaria para a frente se fossemos os dois a correr no mesmo sentido. Não desisti por fracasso, mas por lutar por algo que já não me merecia, um dia olhei para mim e para tudo à minha volta, e deixei de me importar com o que as pessoas faziam ou diziam , passei a preocupar-me só com as coisas certas, e naquele momento, era o mais certo! Hoje vivo com isso, com tudo o que isso implicou, implica e implicará mas seja como for,  é  e será,  apenas recordação.

22 setembro, 2010

"O Amor é a força mais subtil do mundo."

É incrível a forma como, uma palavrinha tão pequena consegue tão repentinamente fazer-nos querer e não querer em simultâneo, é realmente incrível a maneira como consegue fazer com que tudo o que possamos dizer transmita um significado completamente oposto àquele que realmente queríamos passar para outrem, incrível a força com que consegue manter-nos em guerra connosco próprios sem saber o que fazer pois encontramo-nos perante o que o coração quer e o que a cabeça nos diz, muitas vezes, o que realmente devíamos fazer, incrível como consegue levar-nos mesmo contra aquilo de que queríamos, com todas as forças fugir...incrível a forma como me conseguiu fazer esperar demais de alguém que não tem muito para me dar, como me fez aprender que dependendo da maneira como dizemos as coisas podemos atribuir palavras verdadeiras a significados falsos onde quando te digo que te odeio, que quero que te cales de uma vez para sempre, que quero que desapareças para nunca mais voltares, que nunca mais te quero tocar, que só estou bem sem te ter por perto...embora seja tudo verdade , pelo menos é o que eu quero que seja verdade, é o que eu quero que faça parte da minha máscara, o que realmente eu queria sentir ...mas bem lá no fundo quando te vejo embora sinta que o meu coração deixou de bater a um ritmo acelerado como era costume anteriormente...por mais que eu queira não consigo tirar os olhos de ti e ficar a ver-te passar , aí eu percebo que secalhar as palavras todas que disse ou tentei dizer correspondem a um: só queria que ficasses perto de mim, que nunca mais me deixasses assim de um momento para o outro sem desculpa ou razão, ainda te queria aqui do meu lado porque mesmo sem aqui estares consigo sentir o cheiro do teu perfume, que por muito bem que esteja longe de ti ... eu não vivo mas sobrevivo, amo-te porque não passamos a amar alguém quando encontramos a pessoa perfeita, mas sim, quando aprendemos a ver perfeitamente a pessoa imperfeita. Mantém-te longe de mim, é definitivamente o melhor e o que eu quero (sim, é este o único e verdadeiro significado que tem de ficar aqui! ).

18 setembro, 2010

Uma porta : ao abrir, um reencontro...ao fechar, uma despedida!

Foi tudo totalmente diferente do que eu tinha imaginado, podia ter pensado que estaria contigo mais que uma vez neste mês que aqui estives-te, vários factos não o permitiram sejam eles quais forem , simplesmente não aconteceu. Consegui ver-te hoje, na véspera de voltares a partir, ao descer as escadas para ir ter contigo sentia-me a tremer , quando aí cheguei e me obrigas-te a subir o meu coração bateu acelerado a porta estava encostada, tive medo de a abrir, não sabia como estavas, o que tinha mudado durante estes dois anos da tua ausência, mas tu apareces-te e...apenas consegui abraçar-te embora estivesse magoada, não sei tudo passou naquele momento era como se nada tivesse existido, brincámos, atrofiei bastante contigo por causa destes dias, mas a forma como nos encontrávamos fazia-me acreditar que jamais ias voltar a ir embora, fazia-me acreditar que estavas ali para ficar, mesmo quando dizias "amanhã vou partir" conseguimos brincar com isso, era como se não existisse essa possibilidade, partir? partir para onde? porquê se o teu lugar é aqui? óbvio que podia ser uma brincadeira de tolos, se por acaso a realidade não fosse essa mesma, era a véspera da tua ida. O tempo passou a voar, todos os minutos contados ao segundo, cada um que passava fazia o coração bater mais rápido pois era sinal que o tempo para te ter do meu lado estava a esgotar-se...passou tão rápido que quando dei por mim estava a dizer: tenho que ir ...Abri a porta e viemos para fora eu vi que estavas triste, tive que acabar com todas as luzes que incidiam sobre ti e deixavam que eu conseguisse ver-te com aquela tristeza , o brilho natural dos teus olhos estava apagado, eu não conseguia ver-te assim, só sei que esta despedida foi dos momentos mais intensos desta minha curta história de vida, aquele abraço forte que me fez deixar de sentir os pés no chão, aqueles beijinhos á esquimó que trouxeram as nossas recordações de todos estes anos, aqueles silêncios que falaram por si, poupando montes de palavras soltas, deixando-nos sozinhos com o bater simultâneo dos nossos corações, com as nossas lágrimas a percorrerem-nos os rostos, com todo aquela cumplicidade que é tão difícil encontrar em alguém, todas as palavras que foram ditas são de todo verdadeiras, encontro em ti muito de mim, mesmo estando longe sinto o que sentes, estás tão longe mas tão perto em simultâneo, esta distância trouxe tanto para nós, para o que andamos a construir, fez com que as nossas bases estejam mais fortalecidas do que nunca e assim, apesar de tudo o que possamos passar, acabamos por superar sempre deixando soltar-se um : Amo-te B.S.L. estás no topo, somos um, não de sempre mas para sempre... porquê? porque vestimos a camisola um do outro e isso significa que vamos estar sempre lá para o que der e vier, aconteça o que acontecer, ha-ja o que houver. Por tudo isto e por muito mais, eu só sei que "together we can build something beautiful" , vou ficar de novo à tua espera como te prometi enquanto te limpava as lágrimas que insistiam em cair dos teus olhos por mais que não quisesses, vou sentir saudades...sim vou, mas nesses momentos vou lembrar-me das nossas mãos dadas que a qualquer momento fazem com que eu me sinta mais forte que nunca, vou pensar nos abraços por telepatia que já me deste "conta até três, diz o meu nome e estarei aí a abraçar-te" ( acho que nesse dia resultou, senti um arrepio), vou pensar no teu melhor sorriso, vou pensar que tudo o que temos é nosso, vou pensar que sou uma sortuda por te ter do meu lado, vou lembrar-me de todos os momentos em que me abraças com o olhar, porque a medida do nosso amor é amar sem medida. EADV, meu irmão (L')

15 setembro, 2010

Até quando?

Está farta de começar frases, farta de escrever, ler chegar a meio e apagar tudo, farta de estar na incerteza se vou poder passar um ano a passear os livros ou passá-lo por aí a fazer qualquer coisa que me apareça, farta de esperar que te dignes a dizer-me alguma coisa quando faltam quatro dias para te ires embora de vez quando na realidade imaginava passar o mês que aqui estives-te a teu lado depois de dois anos sem te ter por perto, farta de ver outros a pedir-me atenção quando o que preciso agora é da atenção do mundo, sim eu estou aqui caso ainda não se tenha dado por mim...já dava jeito um diazinho como deve ser, já que os últimos cinco não passam de um autêntico desastre. Como será possível alguém dizer "ela já não se ri" ? isto é impensável passo (ou secalhar passava) 24 horas por dia a rir...não sei o que se passa, ou secalhar até sei, bem não importa, o certo é que estava tudo tão bem, tudo tão planeado e um simples email mudou tudo : não colocada...se há uns meses isto poderia ser um alivio agora? agora é um contratempo dos maiores que pode existir , como é que duas palavras conseguem fazer com que a vida ande um ano para trás ? Podia não ser tão chato se não existissem mais cinquenta mil coisas a acontecer ao mesmo tempo, onde apenas meia dúzia delas são boas, me dão razões para continuar a pensar positivo ou até mesmo a vir aqui escrever, sim porque nem consigo escrever uma frase de jeito, há vontade mas não há paciência enfim...descobri que odeio o polvo paul, aquele que dizem que adivinha, tem a mania que sabe tudo mas não dá uma para a caixa, sim ele adivinhou que eu não ia entrar na 1ª fase de candidaturas e agora voltou a dizê-lo mas está a irritar.me porque também disse que andava a gozar comigo, devo estar mesmo mal como diz o meu azedo "não podes estar bem, andas a discutir com uma aplicação do facebook!" ...o que uma pessoa faz quando parece que o mundo está a cair nos seus pés, até quando vou andar assim? a primeira saída deste buraco (ou afogamento total nele) será no máximo até domingo, a outra a que já podia estar resolvida e completamente arrumada será só lá para dia 11do mês que vem ou será em Setembro do próximo ano? esperamos para ver, até lá fico a imaginar o que podia ter sido se já tivesse este assunto arrumado em vez de estar aqui agora a escrever, ou a tentar.

13 setembro, 2010

Chuva de Verão

Final de tarde de Agosto, vou à janela por me encontrar a ouvir qualquer coisa a bater na janela, aquele som não me é estranho quando vejo do que se trata chego à conclusão do porquê de o reconhecer é a chuva a cair lá fora...é normal ouvi-la nos dias e noites de Inverno não nesta altura. De repente , só me vem à cabeça o que é costume nessa altura : os pijamas quentes, os cobertores, o café com leite bem quente, o estar no sofá com o aquecedor ligado quando o ideal seria a bela da lareira para poder ver as chamas a mexerem-se com os seus tons quentes, aquecendo todo aquele espaço em seu redor. De um momento para o outro as ruas que se encontravam cheias de gente com roupas frescas, próprias para os tão esperados dias quentes de Verão, são substituídas pelo vazio...as ruas estão desertas , todos desapareceram, os poucos que ainda se passeiam por elas ou se encontram á procura de abrigo ou seguem as suas rotinas mas sempre acompanhados do tradicional objecto característico do rigoroso Inverno : o chapéu de chuva. O céu que era azul passou a cinzento, o cheirinho ao fim das tardes frescas de Verão é totalmente substituído pelo tão familiar cheiro a terra molhada...sim, é nestes dias que chego à conclusão de que é possível gostar do Inverno, da chuva, das noites frias...e sentir saudades de tudo o que isso implica!

21 agosto, 2010

Quero...

"Quero viajar, quero conhecer, quero saber mais, quero fazer mais, quero ser melhor. Quero divertir-me contigo, com ele, com ela e com os outros. Quero olhar para trás e pensar que valeu a pena tudo isto. Quero sentir a terra, o verde, o azul e o branco." , quero percorrer mil estradas e seguir o meu caminho, dar milhões de passos e encontrar o meu lugar , construir a minha vida e ser feliz !

18 agosto, 2010

Certo e Errado

"Há quatro coisas na vida que não voltam a trás: a pedra atirada, a palavra dita,o tempo passado e a oportunidade perdida"

Passam parte da vida a tentar incutir-te valores do que é certo e errado, passas outra parte a tentar pôr em prática tudo o que te ensinaram e o resto a pensar no que fizes-te e não devias ter feito e vice-versa. Mas o certo e o errado são coisas tão vagas, o que para mim é uma ou outra coisa para ti pode não o ser. Se nos dizem que a vida são dois dias, que deves aproveitar cada momento como se fosse o último, que não podes perder oportunidades porque elas não aparecem duas vezes, que o tempo não volta para trás, como é que em determinadas alturas vamos pensar se está certo ou errado o que estamos a fazer? Passamos parte dos nossos dias a olhar para os outros e a dizer que aquilo que fizeram está mal, até ao dia em que chega a nossa vez e fazemos algo que até ali, até aquele momento era uma das coisas com as quais não concordávamos, mas naquele momento era o que queríamos, e  depois? Depois deixamos de ter o direito de dizer o que quer que seja , porque nós próprios podemos esquecer o que é certo e fazer o errado quando menos esperamos, porquê? Porque aproveitamos a oportunidade que em determinado momento nos surge, é mais forte que nós, não dá tempo para pensar no que nos tinham ensinado, naquilo que defendemos todos os dias, simplesmente não dá para pensar em nada, a vontade torna-se mais forte que a razão, e esta acaba por ganhar mais uma batalha entre ambas...mas talvez um dia mais tarde possamos pensar no que podiamos ter ou não feito para mudar .
Errar é humano, consequências fazem parte da vida, sem erros a vida não era vida! Não foi certo, mas também não foi um erro!


08 agosto, 2010

Ser assim...

                            
Uma noite sem dormir, o sono vai e volta, acendo a luz e olho para o espelho, penso: mas o que sou, o que é a vida, o que é tudo o que me rodeia, o que é ser assim, o que é ser adolescente, o que é estar nesta fase?
Meia dúzia de perguntas um milhão de respostas possíveis e imaginárias. Momentos de pensamento e reflexão e as peças do puzzle que vão surgindo separadas e totalmente misturadas começam a juntar-se e a fazer sentido, assim, ser jovem é entre muitas outras coisas : viver !
E viver como? Viver num enorme e completo jogo de expectativas e ansiedades que mudam a cada passo, é olhar em frente e pensar "tudo é possível", é querer mais, sempre mais, é querer fazer tudo ao mesmo tempo e o mais rápido possível de maneira a que nenhum segundo passado na vida seja desperdiçado, é viver de modo "a viver a vida e não morrer como se nunca tivesse vivido".
Ser jovem é não ser igual a ninguém, é perder e ganhar sem ter medo de arriscar, é segurar a mão de alguém por se ter medo ou ter tanto medo que se deixa de sentir as próprias mãos, é sonhar tanto e tão alto ao ponto de se confundir o sonho com a realidade, é olhar para o espelho e pensar: o que sou?  no que me irei tornar? , é cair inúmeras vezes a pensar que nos vamos tornar a levantar e levantar a pensar que jamais voltaremos a cair.
Ser jovem é ter asas para voar sempre mais alto, é sonhar sempre mais para que os dias nunca passem a ser cinzentos e todos iguais, é ter dias bons onde tudo é perfeito e dias maus onde parece que o mundo acabou de ruir aos nossos pés e assim contruir novos caminhos vezes e vezes sem conta.
Ser jovem é pensar que devemos fazer algo e é a maneira como realmente acabamos por o fazer, é interrogarnos sobre tudo e mais alguma coisa e quando pensamos ter todas as respostas "a vida dá a volta e muda todas as perguntas".
Ser jovem é ter certezas e suspeitas e pensar que não passam de fantasias da nossa cabeça e assim "amar pessoas que nos decepcionam e decepcionar pessoas que amamos", é errar errar e voltar a errar vezes sem conta e aprender com esses mesmos erros, é passar noites a chorar até cair no sono e ir dormir tão feliz que nem sequer conseguimos fechar os olhos, é ver para lá do horizonte, é fechar os olhos e ver o que se vê de olhos fechados, é imaginar, é ver mais além do que é visível.
Ser jovem é ter crises de riso quando é preciso ser sério, é "gostar do impossível e rir-se do perigo", é ter gente a nossa volta, é viver não só para si nem por si, mas por si e pelo outro e assim, não ter medo de contar piadas sem graça para ver um amigo sorrir, é maguar um amigo não com a mentira mas sim com a verdade, "é mentir e arrepender-se de o ter feito e dizer a verdade e arrepender-se de a ter dito", é dizer a alguém o que queria para o maguar e não dizer para não o fazer.
Ser jovem é dar tudo e arriscar com o risco de perder, é gritar quando se deve ficar calado e ficar calado quando se deve gritar, é "não ter fórmulas certas, porque não se espera acertar sempre", é viver cada dia como se fosse o último sendo feliz e sempre consciente de que: se vai errar ainda muitas vezes na estrada longa que é a vida!
Assim, ser o que somos é , difícil embora muitos pensem o contrário, é uma altura repleta de permanentes mudanças mas em simultâneo uma altura única onde estamos permanentemente a prepararnos para um futuro, futuro esse que é mais incerto a cada dia que passa, mas cheios de incertezas e indecisões continuamos sem desistir. É saber que a vida não tem a ver com quantas vezes respiramos , mas sim com quantos momentos nos deixam sem fôlego!

06 agosto, 2010

ética para um jovem...

"Se te dizem que faças o que quiseres, a primeira coisa que parece aconselhável é que penses com tempo e a fundo o que é aquilo que queres. Apetecem-te com certeza muitas coisas, amiúde contraditórias, como acontece com toda a gente (...)Numa palavra se tivesses que dizer sinceramente o teu desejo global e mais profundo dirias :«O que quero é ter uma vida boa», BRAVO! o prémio para este senhor, Era isso mesmo o meu conselho : quando te disse:faz o que qiseres,no fundo, pretendia recomendar-te que tivesses o atrevimento de teres uma vida boa(...) vida boa? MAGNÍFICO. Mas que essa vida boa não seja a de uma couve-flor ou de um escaravelho (...) o que interessa creio eu (...)é ter relações com os outros seres humanos.(..) de que serve Ter casas mais sumptuosas que o palácio das mil e uma noites, muito dinheiro, as melhores roupas? (...) Muito poucas coisas conservam a sua graça na solidão, e se a solidão for completa e definitiva, todas as coisas se volvem irremediavelmente amargas. A vida humana boa é vida boa entre seres humanos, ou, caso contrário, pode ser que seja ainda vida, mas não será nem humana nem boa (...)"
(Fernando Savater)

Somos novos, somos jovens, hoje queremos amanhã temos, e com isso conseguimos o quê? nada, uma vida fácil, onde tudo nos caí nas mãos sem esforço, sem dedicação...um dia crescemos e deixa de ser assim e depois?
Sim, eu quero tem uma vida boa, mas não cheia de luxos que ficam encostados a um canto a  ganhar pó ou ferrugem, ou  algo do género de tanta inutilidade que têm, quero ter uma vida boa onde consiga estar rodeada daqueles que são tudo para mim como sempre esperei, isso sim, realmente me importa, me dá sentido ás escolhas que faço no dia-a-dia, me faz lutar e acreditar em tudo aquilo que acredito!

"As coisas têm de mudar para continuar tudo na mesma"


Quase 18? De um dia para o outro eu mudei, a minha vida mudou, os meus interesses mudaram, olhei para trás e pensei: Será que valeu a pena? será que foi melhor assim? será que algum dia vou ser o que era? será que vai acontecer tudo outra vez? Hoje olhei para o espelho e disse: simplesmente bom ou mau tudo valeu a pena, para trás ficaram desilusões,momentos bons e maus...mas principalmente ficou o que me impedia de sorrir. Hoje sei que cresci, aprendi, vivi, lutei...e posso dizer que venci! Agora? agora tenho o que sempre esperei, a maior felicidade ao lado dos melhores amigos do mundo, sempre segura, confiante e feliz.
Depois de tanta coisa, tantas histórias, finalmente no lugar das lágrimas está e vai permanecer para sempre a vontade de sorrir, apenas o sorriso aquele forte e contagiante que nunca vou ter medo de mostrar. Um dia-a-dia feito de escolhas, conquistas, perdas, bons e maus bocados. Fiz o que tinha de  fazer, segui em frente e consegui!
Nada pode apagar as recordações do tempo que passou, mas muito menos a felicidade do presente e a vontade de viver o futuro . Daqui para a frente , o sorriso apenas, sei que o devo aqueles que sempre estiveram do meu lado, nos bons e maus momentos. Nao sou a melhor, sinceramente nunca o esperei ser, mas sou concerteza das mais felizes.
Mudei talvez sim, talvez não...apenas me encontrei, voltei ao encontro do que um dia ficou para trás , mas agora...acabou por erguer-se novamente.
Acima de tudo, apenas eu, aquilo que sou e não o que querem que seja..mudanças atrás de mudanças mas no fundo sempre a mesma !